Os novos queridinhos da Intel…

“Rápido como o The Flash, performático que nem o Homem-aranha e inteligente igual a MacGyver.”
– Diário de Pernambuco

*TECNOLOGIA INTELIGENTE

Imagine ter um processador inteligente o bastante para saber quando o seu PC precisa de um pouco mais de combustível. A tecnologia Intel® Turbo Boost acelera sua velocidade quando você precisa e oferece eficiência energética quando você não precisa.◊1

Disponível também em determinados modelos da família de processadores Intel® Core™ 2010, o Intel® HD Graphics proporciona excelente desempenho visual para imagens mais nítidas, cores mais vibrantes e áudio e vídeo que parecem reais.

*VELOCIDADE INTELIGENTE

Os processadores Intel® Core™ ajustam-se às suas necessidades aqui e em qualquer lugar. Portanto, você não vai apenas manter-se atualizado, vai estar à frente do seu tempo.◊2

*INVESTIMENTO INTELIGENTE

Os processadores Intel® Core™ ajustam-se às suas necessidades agora e no futuro. Portanto, você não vai apenas manter-se atualizado. Você irá mais longe.

*ESTILO INTELIGENTE

Aumente seu desempenho e seu estilo com o processador inteligente Intel® Core™ 2010, agora disponível em notebooks ultrafinos e elegantes que são tão leves que podem ser transportados o dia todo e oferecem melhor autonomia de bateria.

**core i3 2010

Tecnologia Intel® Hyper-Threading◊1

Permite que cada núcleo do processador trabalhe em duas tarefas ao mesmo tempo, proporcionando o desempenho de que você necessita para multitarefa inteligente. Não permita que um grande número de aplicativos abertos torne você e o seu PC mais lentos. Adquira agora o desempenho inteligente.

Gráficos HD Intel®

Os Gráficos HD Intel® proporcionam um desempenho visual maravilhoso, com imagens mais nítidas, cores mais vibrantes e áudio e vídeo que parecem reais.◊2 Assista a filmes e vídeos pela internet em alta definição, jogue os games mais populares e obtenha suporte completo para o Microsoft Windows* 7. É tudo integrado; não há necessidade de placa de vídeo adicional.

** Core i5 2010

Tecnologia Intel® Turbo Boost◊1

Acelera automaticamente a velocidade do seu processador quando o seu PC necessita de desempenho extra—isso é desempenho inteligente com aumento de velocidade. Disponível em determinados modelos dos novos sistemas baseados no processador Intel® Core™ i5 2010.

Tecnologia Intel® Hyper-Threading◊2

Apresenta processamento multitarefa em quatro vias que permite que cada núcleo do processador trabalhe em duas tarefas ao mesmo tempo, proporcionando o desempenho de que você necessita para multitarefa inteligente. Você e o seu PC não ficarão lentos, por maior que seja o número de aplicativos que estiverem abertos ao mesmo tempo.

Gráficos HD Intel®◊3

Os Gráficos HD Intel® proporcionam um desempenho visual maravilhoso, com imagens mais nítidas, cores mais vibrantes e áudio e vídeo que parecem reais. Assista a filmes e vídeos pela Internet em alta definição, jogue os games mais populares e obtenha suporte completo para o Microsoft Windows* 7. É tudo integrado; não há necessidade de placa de vídeo adicional.

**core i7 2010

uer você seja um usuário sério de multitarefa ou um entusiasta da multimídia, o desempenho é muito importante. Então por que ficar limitado? Libere todo o seu potencial com a última palavra em desempenho inteligente do processador Intel® Core™ i7.

A última palavra em desempenho inteligente

Uma associação de cache de tamanho maior e frequências mais elevadas proporciona o que há de mais moderno em desempenho para as tarefas mais difíceis.

Tecnologia Intel® Turbo Boost◊1

Acelera automaticamente o processador quando o seu PC precisa de desempenho extra.

Tecnologia Intel® Hyper-Threading◊2

O processamento multitarefa em oito vias e quatro vias permite que cada núcleo do processador trabalhe em duas tarefas ao mesmo tempo, proporcionando o desempenho de que você necessita para multitarefa inteligente.

Anúncios
Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

o que é processador e qual sua função???

O processador é o cérebro do micro, encarregado de processar a maior parte das informações. Ele é também o componente onde são usadas as tecnologias de fabricação mais recentes. O processador é o componente mais complexo e freqüentemente o mais caro,

mas ele não pode fazer nada sozinho. Como todo cérebro, ele precisa de um corpo, que é formado pelos outros componentes do micro, incluindo memória, HD, placa de vídeo e de rede, monitor, teclado e mouse. Dentro do mundo PC, tudo começou com o 8088,

lançado pela Intel em 1979 e usado no primeiro PC, lançado pela IBM em 1981.

Depois veio o 286, lançado em 1982, e o 386, lançado em 1985. O 386 pode ser considerado o primeiro processador moderno, pois foi o primeiro a incluir o conjunto de instruções básico, usado até os dias de hoje. O 486, que ainda faz parte das lembranças

de muita gente que comprou seu primeiro computador durante a década de 1990, foi lançado em 1989, mas ainda era comum encontrar micros com ele à venda até por volta de 1997. Depois entramos na era atual, inaugurada pelo Pentium, que foi lançado em 1993,

mas demorou alguns anos para se popularizar e substituir os 486.

Em 1997 foi lançado o Pentium MMX, que deu um último fôlego à plataforma. Depois, em 1997, veio o Pentium II, que usava um encaixe diferente e por isso era incompatível com as placas-mãe antigas. A AMD soube aproveitar a oportunidade, desenvolvendo o

K6-2, um chip com uma arquitetura similar ao Pentium II, mas que era compatível com as placas soquete 7 antigas. A partir daí as coisas passaram a acontecer mais rápido. Em 1999 foi lançado o Pentium III e em 2000 o Pentium 4, que trouxe uma arquitetura

bem diferente dos chips anteriores, otimizada para permitir o lançamento de processadores que trabalham a freqüências mais altas. O último Pentium III trabalhava a 1.0 GHz, enquanto o Pentium 4 atingiu rapidamente os 2.0 GHz, depois 3 GHz e depois 3.5

GHz. O problema é que o Pentium 4 possuía um desempenho por ciclo de clock inferior a outros processadores, o que faz com que a alta freqüência de operação servisse simplesmente para equilibrar as coisas.

A primeira versão do Pentium 4 operava a 1.3 GHz e, mesmo assim, perdia para o Pentium III de 1.0 GHz em diversas aplicações. Quanto mais alta a freqüência do processador, mais ele esquenta e mais energia consome, o que acaba se tornando um grande

problema. Quando as possibilidades de aumento de clock do Pentium 4 se esgotaram, a Intel lançou o Pentium D, uma versão dual-core do Pentium 4. Inicialmente os Pentium D eram caros, mas com o lançamento do Core 2 Duo eles caíram de preço e passaram a ser

usados até mesmo em micros de baixo custo.

Os Pentium D eram vendidos sob um sistema de numeração e não sob a freqüência real de clock. O Pentium D 820, por exemplo, opera a 2.8 GHz, enquanto o 840 opera a 3.2 GHz. Em 2003 a Intel lançou o Pentium M, um chip derivado da antiga arquitetura do

Pentium III, que consome pouca energia, esquenta pouco e mesmo assim oferece um excelente desempenho. Um Pentium M de 1.4 GHz chega a superar um Pentium 4 de 2.6 GHz em diversas aplicações. O Pentium M foi desenvolvido originalmente para ser usado em

notebooks, mas se mostrou tão eficiente que acabou sendo usado como base para o desenvolvimento da plataforma Core, usada nos processadores Core 2 Duo fabricados atualmente pela Intel. O Pentium 4 acabou se revelando um beco sem saída, descontinuado e

condenado ao esquecimento.

Paralelamente a todos esses processadores, temos o Celeron, uma versão mais barata, mas com um desempenho um pouco inferior, por ter menos cache ou outras limitações. Na verdade, o Celeron não é uma família separada de chips, mas apenas um nome

comercial usado nas versões mais baratas (com metade ou um quarto do cache) de vários processadores Intel. Existem Celerons baseados no Pentium II, Pentium III, Pentium 4, Pentium M e também o Celeron 4xx, que é uma versão single-core (e com menos cache)

do Core 2 Duo.

Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

Rackers … Anjos ou criminosos…

Esse é um documentario que se caracteriza por mostrar de certa forma a rotina de um racker , ou seja , como eles atacam , como eles pensam , por outro lado tambem mostra como os chamados rackers do bem agem,ou seja ,pessoas que na sua maioria ja foram rackers do mal e mudaram de lado ,tais pessoas em geral são contratadas por grandes corporações para que os mesmos invadam seus sistemas e identifiquem possiveis falhas de segurança aos seus dados e dessa forma e como corrigir essas falhas .

   No filme, assim como na vida real ,vemos  que os crimes cibernéticos tem se tornado cada vez mais frequente ,fazendo com que a preocupação com  a segurança cibernética seja cotidiana ,ou seja dia e noite , cm isso surge a necessidade de profissionais da area de segurança de estarem cada vez mais se capacitando .

*abaixo segue um trailer do documentario…

*segue tb um outro video que fala sobre querra virtual , achei que seria muito valido e contribuiria demais com o assunto .

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Oque é , e como funciona o ataque por força bruta a um software…

Uma das técnicas mais antigas de tentativas de invasão de um sistema é o ataque de força bruta, vulgo brutal force. Se eu tivesse de comentar sobre esse tipo de ataque não o consideraria técnica e sim um ato de grosseria.

Todo sistema de acesso restrito é acessível através do conjunto nome de usuário / senha e um ataque de força bruta significa tentar adivinhar o conjunto por meio de tentativa e erro. Se o invasor souber pelo menos do nome do usuário já tem um bom caminho andado, pois só irá precisar descobrir a senha e é incrivelmente inacreditável como existem senhas óbvias em contas pelo mundo afora.

Mesmo considerando a fragilidade apresentada pela maioria de contas de usuários, é inviável deferir um ataque de força bruta manualmente,a menos que você seja um daqueles que ganha na loteria quase todo mês.Neste artigo aprenderemos a criar um programa em Perl usado para automatizar o processo de tentativa de acesso.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário